Formigas e veículos lunares

formiga

Você sabia que a formiga pode levantar até cem vezes o peso dela? Só para comparar, os atletas olímpicos, quando muito, levantam “apenas” o dobro do peso deles (e eu mal levanto a metade do meu…). Como elas conseguem esse feito? É porque, sendo tão leves, as formigas usam apenas uma pequena parte de seus músculos para controlar os movimentos, deixando o resto da força para levantar pesos.

O biólogo agnóstico Michael Denton escreveu o seguinte sobre a “tecnologia” das formigas: “Existem dezenas de exemplos em que avanços na tecnologia demonstraram o brilhantismo do design biológico. Um exemplo fascinante foi a construção da máquina soviética de exploração lunar que se move por meio de pernas articuladas, a Lunakod. Pernas, e não rodas, foram escolhidas devido à maior facilidade de movimentação que uma máquina articulada teria para atravessar o terreno irregular da Lua. A Lunakod se assemelha a uma formiga gigante, tanto assim que não era mais possível olhar para as pernas articuladas de um inseto sem um renovado sentimento de respeito e a realização de que o que era antes um dado adquirido, e considerado uma adaptação simples, representava uma solução tecnológica muito sofisticada para o problema da mobilidade sobre terreno irregular” (Michael Denton,Evolution: A Theory in Crisis, p. 333).

Para o blogueiro português Sérgio Miguel Mats, o design, elegância e sofisticação presentes nas formas de vida são exatamente o que seria de esperar se elas fossem o resultado do poder criativo sobrenatural de Deus. “Que a vida tem design é feito óbvio pelas tentativas bem-sucedidas em copiar o que Deus criou. O homem que rejeita Deus se encontra, assim, na posição irracional de negar o design que existe na biosfera, enquanto tenta copiar esse mesmo ‘não existente’ design”, diz ele.

Detalhe: a formiga é bem forte, sem dúvida, mas o bicho mais forte do mundo é o besouro-rinoceronte. Ele suporta até 850 vezes o próprio peso – é como se um homem de 70 kg conseguisse levantar 60 toneladas!

 digitais do criador