A classe executiva

sentra_2

Mais encorpado, mas não maior, o novo Nissan Sentra ganhou muito em sofisticação e equipamentos e promete deixar aquela sub-categoria dos sedãs que vendem apenas porque são mais baratos – nesse caso, o  Nissan Sentra ainda continua com a vantagem do preço já que segue sendo produzido no México  e não pagando imposto de importação. Mas a diferença agora é que ele se equivale em acabamento e itens de série, coisa que seu antecessor não conseguiu.

novo_sentra

O espaço interno dá a impressão de ter crescido mais que o carro. Quem viaja no banco de trás vai numa posição mais alta sem que corra o risco de encostar a cabeça no teto. O porta-malas do Nissan Sentra tem capacidade para 428 litros na versão americana, um pouco menor que o modelo atual no Brasil, que tem 422 litros.

Novo_sentra_l

A Nissan ainda não revelou o conteúdo das versões, mas adiantou algumas informações. O botão de partida, por exemplo, normalmente um item opcional, será de série desde a versão de entrada – o Nissan Sentra também mantém o sistema i-Key, que libera as portas apenas com presença da chave.

sentra

Além das luzes diurnas de LEDs, tanto na frente quanto atrás, o novo Nissan Sentra, terá o volante com vários recursos como sistema Bluetooth, piloto automático e controle do sistema de som. O ar condicionado, de duas zonas, é item de série nas versões SV, intermediárias, e SL, top de linha.

Já a central multimídia, que concentra também a câmera de ré, não foi confirmada pela Nissan, mas é pouco provável que não esteja na lista de equipamento do modelo já que virou um padrão de segmento.

A Nissan optou por não adaptar o novo motor 1.8 adotado no modelo americano. Econômico, mas menos potente que o 2.0 usado hoje no Brasil, esse motor significaria uma perda de 10 cv em favor da economia de combustível, algo hoje buscado pelos clientes americanos.

A marca, no entanto, aperfeiçoou o motor 2.0 para também consumir menos, o que, aliado a evolução do câmbio CVT, permitiu que o Nissan Sentra atingisse a nota máxima do Inmetro. O motor 2.0 também passa a utilizar o sistema Flex-Start, que dispensa o tanquinho de gasolina.

Publicado por:Celso Serafim