Saúde

Tratamento de Hiperidrose

O suor é necessário para o controle da temperatura corpórea, especialmente durante o exercício ou sob temperaturas mais elevadas do ambiente. Ele é o responsável entre outra funções de manter nossa temperatura em 37°C.

 

A hiperidrose é situação relativamente freqüente, com incidência relatada entre 0,6 a 1 % da população. Não é uma doença grave porem gera uma situação extremamente desconfortável, que causa profundo embaraço social e transtornos de relacionamento e psicológicos no portador, que freqüentemente se isola socialmente e adquire hábitos procurando esconder o seu problema.

 

Curiosamente, por diversos fatores, uma parcela ínfima dos pacientes tem seu problema resolvido e tratado de forma eficaz e duradoura.

 

Os pacientes referem sudorese constante, as vezes inesperada, mas a maioria deles relata fatores agravantes. Os fatores desencadeantes da sudorese excessiva são o aumento da temperatura ambiente, o exercício, a febre, a ansiedade e a ingestão de comidas condimentadas. Geralmente há melhora dos sintomas durante o sono. O suor pode ser quente ou frio, mas a sudorese é constante. Pode afetar todo o corpo ou ser confinada à região palmar, plantar, axilar, inframamaria, inguinal ou cranio-facial.

 

A sudorese excessiva e constante é uma condição constrangedora, desagradável, que dificulta as atividades do dia-a-dia e interfere no trabalho, no lazer e nas atividades sociais. Atividades diárias como escrever, apertar a mão de outra pessoa, segurar papéis, e outras atitudes simples podem ser adversamente afetada pela hiperidrose.

 

Quando o quadro de hiperidrose é grave, ocorre gotejamento espontâneo na região afetada. Nos casos mais graves, a pele pode ficar macerada ou mesmo fissurada. Quando a sudorese é mais intensa na região axilar, outros sintomas desagradáveis são relatados.

 

O exsudato pode causar odor fétido (bromidrose). O odor fétido é causado pela decomposição do suor e debris celulares de bactérias e fungos.

Assim, pode contribuir para o aparecimento e manutenção de outras doenças de pele como infecções piogênicas, fúngicas, dermatite de contato, etc.

 

 

TRATAMENTO:

 

Os primeiros cuidados:

 

1.          Uso de antiperspirantes e adstringentes (cloreto de alumínio em álcool etílico, solução de glutaraldeído 2%, etc.). Estes produtos devem ser aplicados sobre a pele seca, após banho frio, imediatamente antes de deitar-se. Apresentam o inconveniente de causar dermatite de contato ou deixar a pele com coloração amarelada.

 

2.           Uso de talco ou amido de milho natural (para os casos mais leves): deve ser aplicado entre os dedos, sob as mamas ou em pregas da pele.

 

3.           Banho com sabonete desodorante: seu uso prolongado pode levar à dermatite

 

4.           Não calçar o mesmo par de sapatos por dois dias seguidos; utilizar palmilhas absorventes, que devem ser substituídas freqüentemente.

 

5.           Tratamento medicamentoso sistêmico, com drogas antidepressivas, ansiolíticas e anticolinérgicas: estas drogas proporcionam apenas alivio parcial e apresentam efeitos colaterais importantes e indesejáveis, como alteração da visão, boca seca, problemas urinários, sedação, etc.

 

6.           Iontoforese, “biofeedback” e psicoterapia.

7.           Injeções locais de toxina botulínica (Botox ®) duração de 6-15meses e com uso limitado a áreas de pequena extensão,por exemplo: Axila, palma de mão e planta dos pés

 

O tratamento clínico apresenta bons resultados quando bem indicados e uso corretos.

 

Apesar dos altos preços a toxina botulínica apresenta resultados muito bons, seguro e alem de tudo rápido de ser feito.

 

Caso nenhum desses tratamentos sejam satisfatórios pode ser feito a simpatectomica por video.

 

A operação toracoscópica é feita sob anestesia geral , são feitos dois ou três pequenos orifícios no tórax, por onde são introduzidas a óptica e o material de trabalho.

A vídeo toracoscopia permite identificar por dentro do tórax a cadeia simpática, e nos permite retirar ou destruir seletivamente a porção que interessa (geralmente T2 a T4 na hiperidrose).

Não há necessidade de uso de drenos torácicos no pós operatório. A cirurgia pode ser realizada em ambos os lados em uma única sessão e os pacientes têm tido alta no dia seguinte à operação

 

 

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *