Curiosidades

Como Surgiu a Caneta

No início mais ou menos no ano 4000 a.C. os egípcios recorriam a canas que eram mergulhadas em tinta para a escrita hieroglífica.

No ano 3000 a.C., os chineses escreviam com finos pincéis produzidos com pelo de camelo ou rato

Por volta de 1300 a.C., os gregos utilizavam um estilete de bronze ou osso, que pressionavam sobre blocos de cera, para escreverem os seus textos.

No ano 500 a.C., surgiu o instrumento de escrita mais famoso e que resistiu mais tempo às mudanças, a pena. A pena podia ser de ganso, cisne, peru ganso. Normalmente a de cisne era mais cara, sendo utilizada apenas em ocasiões especiais, e a de peru a melhor. A pena era afiada e fendida e mergulhada em tinta.  Sobre o pergaminho ou sobre a folha de papel, a tinta fluía, permitindo escrever cartas de amor secretas ou bonitos textos.


Mesmo apresentando várias limitações, dado que era necessário mergulhá-la em tinta e afiá-la com frequência e que, portanto, tinha uma durabilidade reduzida, tornou-se o instrumento de escrita mais usado até ao inicio do século XIX

No entanto no final do século XVIII, em 1780, as penas de aves foram substituídas por penas de metal, com corpo de madeira

Também estas, como as anteriores, tinham limitações, absorviam apenas uma pequena quantidade de tinta, sendo necessário mergulhá-las na tinta com freqüência. Era complicado fazer traços uniformes e a tinta, por vezes, soltava-se e manchava o manuscrito

Entretanto, várias tentativas para construir uma caneta com reservatório de tinta, obrigaram o desenvolvimento de uma nova tinta. Assim, aproximadamente em 1860 surgiu uma tinta que permitia escrever sem manchar as mãos ou o papel. Porém verificou-se corrosiva para as penas de ferro. O ouro passou então a ser utilizado no fabrico das penas, mas ainda assim não se mostrava suficientemente resistente, sendo-lhe acrescentado irídio. Estas penas de ouro surgiram em 1880. Existem bonitos exemplares, com belos bordados na ponta e corpo de vulcanite ou ebonite

Após várias décadas na tentativa de produzir uma caneta com reservatório de tinta, em 1884, Lewis Waterman inventou uma caneta tinteiro. A partir dessa descoberta, apenas se tentou melhorar os *sistema de auto abastecimento.


Por fim, em 1938, o húngaro László Biró, criou uma caneta recarregável com uma pequena esfera móvel na ponta que, ao girar, distribuía tinta de modo uniforme.


*Sistema de Auto abastecimento

A primeira solução encontrada foi colocar um pequeno balão de borracha como reservatório no interior da caneta. Esse balão, ao ser apertado, expelia o ar que se encontrava no seu interior e, conseqüentemente, sugava a tinta do tinteiro para o interior do balão.

Este mecanismo foi adaptado por todas as empresas fabricantes de canetas. No entanto, a forma como o balão estava situado no corpo da caneta variava, segundo o fabricante.

Alguns fabricantes optaram simplesmente por efetuar um corte ao longo da caneta de forma que, ao colocar uma moeda nesse corte, o balão se comprimisse. A Waterman lançou um modelo em que a caneta seguia já acompanhada com uma moeda, especial para esse fim.

Em 1897, a empresa Conklin, aproveitando esta idéia, incorporou nessa abertura uma peça semicircular de metal. Essa peça, à qual deram o nome de crescente, encontrava-se junto do polegar e bastava uma simples pressão do polegar para que a caneta fosse abastecida.


Em 1908, Walter Sheaffer inventou o sistema de alavanca. Uma alavanca móvel era colocada num corte, efetuado no corpo da caneta. Essa alavanca era uma pequena chapa de metal que permitia comprimir o balão

Mais tarde a Parker lançou o sistema de botão. Esse sistema incorporava uma mola que era comprimida quando o botão, que se encontrava na extremidade superior da caneta, era pressionado. Desta forma, tal como no sistema apresentado por Sheaffer, uma estreita chapa de metal, colocada no meio da mola, pressionava o balão, obrigando a tinta a subir.

Estes dois sistemas permaneceram em voga até ao início da década 30. Em 1932 a Parker lançou o primeiro sistema á vácuo funcional, com enchimento através de pistão. Esta caneta, a que chamaram Vacumatic, revolucionou a indústria das canetas pelas suas características. Apresentava algumas novidades, entre as quais, não continha balão, deixando mais espaço para armazenar tinta, permitia visualizar a quantidade de tinta, através do seu corpo transparente e a pena escrevia com duas grossuras distintas.

Por fim, em 1952, a Sheaffer lançou o que é considerado até hoje, como o mecanismo de recarga mais completo, o Snorkel. Consistia num tubo retrátil, situado na pena da caneta, através do qual a caneta era recarregada. Após o enchimento da caneta, o tubo era recolhido

http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/hfe/lugares/escrever%20na%20escola/index.htm

 



Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *