Trauma Pediátrico

Compartilhe se gostou !

PROTOCOLO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO 24 HORAS

Trauma_pediátrico

TRAUMA PEDIÁTRICO

A – CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. 

Durante o atendimento a criança com trauma, uma das principais dificuldades é lidar com os responsáveis, que geralmente estão ansiosos e preocupados. 

A melhor maneira de ganhar a confiança dos pais é demonstrar competência durante o atendimento. Envolvê-los no socorro.

Sempre que possível mantenha os pais em contato físico e verbal com o paciente. Pedir por exemplo que eles confortem a criança e ajudem segurando algum equipamento. Explicar tudo o que está sendo feito para os responsáveis, demonstre preocupação pela criança mantendo o profissionalismo.

O traumatismo da cabeça é a causa mais comum de óbito após trauma em pacientes pediátrico. As lesões da cabeça são mais frequentes na criança devido ao tamanho e peso desta em relação ao corpo. As crianças costumam apresentar um prognóstico melhor do que adultos com o mesmo grau de lesão e a recuperação pode ser completa mesmo em pacientes com lesões graves.

O traumatismo de abdome representa a segunda causa de óbito após trauma em pacientes pediátricos. Sua principal manifestação é o choque hemorrágico causado pela rotura do fígado e do baço. Estes orgãos são menos protegidos pelas costelas e são relativamente maiores em crianças.

A parede torácica é mais elástica em crianças do que em adultos diminuindo a chance de lesões como tórax instável e tamponamento cardíaco, após o traumatismo de tórax.

Traumatismos de coluna vertebral são pouco frequentes antes da adolescência apesar do tamanho da cabeça da criança. Mas mesmo assim imobilizar toda a criança com mecanismo de lesão sugestivo.


 P R O T O C O L O S  D E   T R A UM A  

Os pacientes socorridos em assentos infantis, apresentam menor chance de sofrer lesões graves em acidentes automobilísticos.


B – QUADRO CLÍNICO.

A avaliação do nível de consciência é um excelente indicador de traumatismo de crânio. Utilizar como parâmetro a variação da pontuação na escala de Glasgow adaptada para pediatria.

Crianças pequenas podem se beneficiar de um brinquedo e caso algum esteja disponível permitir que ele fique com o paciente. Uma criança que pode ser consolada ou distraída com algum brinquedo tem o cérebro adequadamente perfundido e oxigenado.

Particularidades: as contusões abdominais, equimoses provocadas por cintos de segurança, dor abdominal em pacientes pediátricos representam indicações de transporte rápido. Mesmo vítimas com sinais mínimos de trauma podem apresentar lesões graves.

Os principais sinais do traumatismo de tórax são: dificuldade respiratória que pode ser causada por pneumotórax, hemotórax e contusão pulmonar.

A taquipnéia é um importante sinal de comprometimento respiratório, uma criança respirando com frequência maior que quarenta por minuto ou um lactente com mais de sessenta por minuto tem indicação de transporte rápido; batimentos de asa de nariz; retrações supra-esternais, intercostais e subcostais.

A ausculta pulmonar pode ser enganosa em caso de pneumotórax pode haver transmissão de ruídos de um lado do tórax para outro devido ao pequeno tamanho da caixa torácica.

O diagnóstico de choque é mais difícil em crianças do que em adultos e quanto mais jovem o paciente mais difícil é a avaliação. Os sinais de choque podem ser simulados por outras condições como exposição ao frio, medo e estresse. A frequência de pulso maior que 130 bpm deve sugerir choque.

A palpação de pulsos pode ser difícil em crianças pequenas e lactentes, mesmo que eles não estejam em choque. No lactente o pulso braquial é o mais fácil de palpar.

A redução da temperatura das extremidades pode ser secundária a exposição ao frio, medo e estresse.

Hipotensão arterial: é um sinal tardio de choque. A aferição da pressão arterial é difícil e pode ser demorada em crianças pequenas. Como regra a pressão arterial sistólica menor que 80 mmHg em crianças e que setenta mmHg em lactentes são sinais indicativos de hipotensão.

O tamanho do manguito do esfigmomanômetro deve ser adequado ao do paciente para evitar erros na aferição.

O enchimento capilar também é difícil de avaliar, quando superior a 2 segundos sugere a presença de problema circulatório.

Devido a mecanismos compensatórios as crianças em estágio inicial de choque podem parecer bem. A piora é súbita.

                                     Escala de Glasgow pediátrica

                                                 ABERTURA OCULAR

 

  >1ANO

   <1ANO

  1

 NÃO ABRE

   NÃO ABRE

  2

 A DOR

   A DOR

  3

 AOS ESTIMULOS VERBAIS

   AO GRITO

  4

 ESPONTÃNEA

   ESPONTÃNEA

 

                                                MELHOR RESPOSTA MOTORA

 

  >1ANO

  <1ANO

  1

  SEM RESPOSTA

  SEM RESPOSTA

  2

  EXTENSÃO

  EXTENSÃO

  3

  FLEXÃO ANORMAL

  FLEXÃO ANORMAL

  4

  RETIRADA EM FLEXÃO

  RETIRADA EM FLEXÃO

  5

  LOCALIZA A DOR

  LOCALIZA A DOR

  6

  OBEDECE MELHOR

 

 

                                                    RESPOSTA VERBAL

 

    >5 ANOS

   >2 – 5 ANOS

 0– 2 ANOS

  1

    SEM RESPOSTA

   SEM RESPOSTA

 SEM RESPOSTA

  2

    SONS INCOMPREENSÍVEIS

   GRUNHIDOS

 GRUNHIDOS

  3

    PALAVRAS DESCONEXAS

   CHORO E GRITOS

 CHORO    INAPROPRIADO

  4

    DESORIENTADO

   PALAVRAS INAPROPRIADAS

 CHORO

  5

  CONVERSA COM              ORIENTAÇÃO

  FRASES E PALAVRAS    APROPRIADAS

 SORRI BALBUCIA E  CHORA  APROPRIADAMENTE

 

 

                                       SINAIS VITAIS DE ACORDO COM A FAIXA ETÁRIA

  IDADE

PESO KG

RESPIRAÇÃO/MINUTO

PULSO (bpm)

PA SISTÓLE (mmHg)

  Recém nato

     3 – 4

    30 – 50

  120 – 160

  >60

  6 meses

  a 1 ano

    8 – 10

    30 – 40

  120 – 140

  70  –   80

  2 a  4  anos

   12 – 16

    20 – 30

  100 – 110

  80  –    95

  5 a  8  anos

   18 – 26

    14 – 20

    80 – 100

  90  –  100

  8 a 12 anos

   26 – 50

    12 – 20

    80 – 100

   100 – 110

  >12     anos

   >50

    12 – 16

   80 –  100

    100 – 120

 

C. CONDUTA

Adotar medidas de auto-proteção.

Manter as vias aéreas abertas com manobras manuais e estabilização manual da cabeça e pescoço.

Determinar após a abertura da via aérea, se a vítima apresenta respiração adequada.

Iniciar a assistência ventilatória com a respiração artificial sob máscara, caso a respiração esteja ausente ou inapropriada.

Utilizar a máscara invertida caso a disponível seja grande para o paciente.

Estabilizar a cabeça e pescoço manualmente, o colar cervical só é aplicado no final da avaliação rápida.

A manobra manual de desobstrução indicada no trauma é a elevação modificada da mandíbula.

Colocar um coxim sob os ombros para manter a cabeça em posição neutra geralmente é necessário. Em crianças pequenas devido ao maior tamanho da cabeça em proporção ao corpo o occipital pode manter a cabeça flexionada obstruindo a via aérea quando ela está em decúbito dorsal.

Lembrar que a hiperextensão da cabeça pode causar obstrução de vias aéreas e a cânula orofaríngea deve ser utilizada somente em crianças não reativas. A cânula nasofaríngea está contra-indicada.

Ventilar crianças que não apresentam respiração adequada com oxigênio suplementar.

Administrar oxigênio sob máscara em crianças ventilando adequadamente.


Efetuar as ventilações pulmonares lentamente para evitar a distensão gástrica e na frequência apropriada para a idade da vítima.

Empregar as frequências recomendadas para ventilação pediátrica que são: 20/min para pacientes menores que um ano de idade e 15 a 20/min para crianças maiores e adolescentes.

Proceder a intubação orotraqueal em caso de inconsciência e/ou necessidade de assistência respiratória.

Conter hemorragias externas. Os locais de sangramento óbvios devem ser controlados para manter a circulação. Como o volume sanguíneo da criança é de 80 a 90 ml/kg sangramentos com perdas que seriam bem toleradas em um adulto podem causar o choque. As técnicas de controle de hemorragias são as mesmas utilizadas em adultos.

Obter acesso a circulação, como no adulto não é uma prioridade em transportes de curta duração. Em situações especiais como transportes prolongados, hemorragias controladas, esmagamentos, tempo longo de desencarceramento o acesso a circulação no ambiente pré-hospitalar o procedimento é necessário. São opções a veias periféricas de extremidades superiores, a safena anteriormente ao maléolo medial da tíbia e a infusão intra-óssea.

Colher sangue para hematócrito, gasometria arterial, eletrólitos e função renal.

Monitorizar ECG, oximetria de pulso.

Obter radiografia de tórax.

Efetuar a reposição de volume em bolus de 20 ml/kg seguidos por reavaliação dos parâmetros clínicos do paciente. Caso necessário o bolus deve ser repetido.

Transportar rápido ao hospital para avaliação caso indicado.

Fonte:.2gse.cbmerj

Publicado por: Celso Serafim

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *